Saturday, November 6, 2010

Como jornalistas utilizam o Twitter

Pesquisa realizada na Noruega mostrou como os jornalistas de l� t�m utilizado o Twitter. Um em cada dois jornalistas noruegueses utilizam a ferramenta. O microblog serve principalmente para pesquisa, como inspira��o para pautas, rede de contatos e para conex�o com leitores. Foram ouvidos 132 jornalistas.



- Pesquisa (30%)

- Uso pessoal (29%)

- Inspira��o para pautas (23%)

- Promo��o (17%)

- Construir rede de contatos com outros jornalistas (15%)

- Buscar contatos com fontes e realizar entrevistas (13%)

- Buscar feedback de leitores (12%)



Esta certamente n�o � uma lista conclusiva. Por aqui, temos visto outros usos como cobertura de eventos, documenta��o, trocas de ideias, busca de feedback e cross media com r�dio, tv e jornais. At� j� vi jornalistas utilizando a ferramenta para contar palavras de uma mat�ria.



Sem falar nas se��es dos jornais que publicam repercuss�es e coment�rios do Twitter sobre diversos assuntos.



H� outras possibilidades como projetos em conjunto,  uma conta compartilhada para promover uma causa ou atingir p�blicos de nicho. Fizemos este exerc�cio em um curso do Knight Center com �timos resultados.



O Twitter pode ser considerado hoje a melhor plataforma para not�cias atuais. Um espa�o em que as diversas vis�es de mundo se encontram, em fluxo cont�nuo de atualiza��o.



No final, trata-se de cada um encontrar a melhor utilidade, aquilo que lhe conv�m. S� n�o vale fazer da ferramenta uma fonte de ang�stia pelo volume de informa��o circulante. Afinal, tudo o que � realmente importante retorna em algum momento. Com o Twitter n�o � diferente.



Aos alunos de jornalismo, costumo dizer que podem at� n�o gostar. Mas n�o podem ficar de fora.



Fontes http://bit.ly/am3vd7 e http://bit.ly/bNFWLz:


Monday, November 1, 2010

5 li��es do Twitter para jornalistas em forma��o

(Tradu��o livre do artigo 5 Key Lessons That Journalists Learn From Twitter)





Twitter � uma �tima ferramenta de m�dia social para jornalistas. Mas � fato que a grande maioria das pessoas n�o utiliza o Twitter para se informar. A boa not�cia? O Twitter ensina valiosas li��es que se aplicam ao jornalismo como um todo. Aqui est�o cinco li��es gerais que voc� pode aprender com seus h�bitos de micro-mensagens.





1. Como conquistar a aten��o das pessoas: como jornalista, voc� vai querer chamar o p�blico para a sua hist�ria. Isso n�o significa necessariamente ser sensacionalista - mesmo se voc� estiver escrevendo um artigo s�rio e racional vai querer anunci�-lo com um bom t�tulo ou legenda. Por exemplo tweet do  @ HuffingtonPost sobre a acidente com mineiros no Chile (Shhhh! Mineiros chilenos n�o revelam detalhes do calv�rio) procura buscar audi�ncia sem apelar para o sensacionalismo.



2. Como buscar informa��es: o Twitter faz um �timo trabalho incentivando as pessoas a seguirem quantas outras quiserem. O site mostra abertamente quantas pessoas o usu�rio segue e quantas pessoas s�o seguidas por ele. H� ferramentas incorporadas que incentivam seguir ainda mais gente. O Twitter permite ao jornalista multiplicar infinitamente suas fontes misturando-as na timeline. Isso ajuda a n�o confiar demais em apenas uma fonte. Naturalmente, o jornalismo respons�vel exige fontes respeit�veis, mas o Twitter ensina ao jornalista o valor de se clicar em busca de mais informa��es ... aprende-se rapidamente que os maiores tesouros est�o muitas vezes em camadas mais profundas.



3. Como citar informa��es: simples e f�cil. O Twitter incentiva os jornalistas a citarem suas fontes, encorajando o uso do s�mbolo @ e a abreviatura RT nas mensagens. No Twitter, n�o h� vergonha em acenar para outras pessoas nos seus tweets. Tanto quanto o jornalista deseja not�cias in�ditas, � sempre m� ideia se apossar da cria��o de outros, dizendo ser sua.



4. Como incorporar multim�dia: o Twitter introduz o jornalista no mundo da multim�dia. Especialmente com o novo Twitter, � poss�vel perceber como fotos, v�deos e clipes de �udio podem enriquecer um artigo ou mensagem.



5. Como ser agressivo: o trabalho como rep�rter rapidamente ensina a necessidade de se impor para obter a informa��o que precisa. Algumas vezes, ter� que ir a lugares aos quais n�o pertence,   mas se h� um fato ou uma fonte que vai ajudar na sua hist�ria, voc� ter� que ser  agressivo. Alguns ainda podem argumentar que o Twitter permite esconder atr�s da parede da internet, mas o site realmente incentiva a se envolver em conversas com estranhos. Responder a algu�m que n�o conhece ou retuitar uma fonte com a qual n�o tem nenhuma conex�o, incentiva o h�bito de se envolver e entrar em conversas alheias.

Thursday, September 9, 2010

Mat�ria do Estado de Minas: Vai Pingar?/Socializa��o na escuta



Reportagem Frederico Bottrel/Foto Cristina Horta

(Caderno de Inform�tica do Estado de Minas - 09/09/10)









O que foi anunciado como a primeira investida da Apple no cen�rio das m�dias sociais j� tem sido apontado como mais uma maneira de engordar os cofres da ma��. O Ping, servi�o de rede social integrado ao iTunes, recebeu cr�ticas severas de quem testou a ferramenta em sua primeira semana no ar. Blogs especializados, inclusive aqueles escritos por macman�acos confessos, se revoltaram com a proposta do Ping, que permite que se ou�a apenas 30 segundos das m�sicas.





Seria claramente uma estrat�gia para que o usu�rio comprasse a m�sica inteira, no pr�prio ambiente da loja do iTunes. Esse � outro aspecto que fez os cr�ticos torcerem o nariz: a Apple segue na contram�o dos servi�os em plataformas abertas na internet. O Ping funciona apenas no iTunes (e n�o simplesmente em um navegador, como qualquer outra rede social), no iPod ou no iPhone. � como se a Apple ignorasse por completo quem usa telefones Blackberry ou Android. Este modelo fechad�o da empresa j� � um cl�ssico em seus lan�amentos cheios de particularidades mercadol�gicas (iPad n�o tem USB, s� para lembrar).



Por isso, especialistas preferem a cautela � certeza de que o lan�amento da Apple ser� um sucesso. "As redes sociais se movem numa velocidade t�o grande e com estrat�gias competitivas t�o agressivas, que ser� preciso aguardar a rea��o das empresas e, principalmente, dos usu�rios. Os primeiros movimentos apontam para um certo desconforto do Facebook em rela��o � Apple e ao Ping. Por outro lado, v�nhamos acompanhando uma aproxima��o maior entre Facebook e MySpace na �ltima semana, antes do Ping. E h� quem aponte um redirecionamento do MySpace com enfoque dedicado mais ao conte�do do que � socializa��o", explica Lorena T�rcia, coordenadora do laborat�rio de converg�ncia de m�dias do Uni-BH.



No lan�amento da novidade, Steve Jobs deixou claro quem s�o os inimigos que a Apple deve atacar com o Ping: "� como uma mistura de Twitter e Facebook". A inclina��o da gigante da ma�� em dire��o �s redes sociais � ind�cio de fen�meno curioso, como detalha Lorena: "� uma movimenta��o de gigantes e nem estamos ainda falando de Google, amea�a comum a todos. A quest�o est� na import�ncia da sociabilidade na rede. N�o d� para ficar de fora".



Ela lembra, contudo, que tamanho n�o � documento na web: "A l�gica da internet � fascinante neste sentido. Novas empresas sem grandes investimentos iniciais surgem e agregam as pessoas com velocidade, como o Twitter. Ao mesmo tempo em que projetos com grande aporte de investimento e marketing como o Google Wave definham frente ao desprezo dos usu�rios.



A palavra-chave � engajamento e, neste aspecto, a Apple j� sai em vantagem. Mas, na rede, n�o basta ser grande, � preciso um charme especial que, felizmente ou infelizmente, n�o est� acompanhado de manual". Como n�o h� f�rmula pronta, resta �s gigantes correr atr�s.



Por isso a rede da Apple tem tantas semelhan�as com os dois mais bem sucedidos exemplos no cen�rio atual: � poss�vel seguir o seu artista favorito, como no Twitter.



E tamb�m d� para colecionar amigos de forma mais direta que no microblog, � maneira do Facebook. Al�m de permitir a intera��o com os artistas, o Ping facilita para que voc� fique por dentro das atualiza��es desses amigos, veja fotos e v�deos, leia coment�rios etc. Uma outra ferramenta � centrada em agenda de shows � e aqui mistura conceitos do MySpace e do Facebook, j� que � permitido confirmar presen�a nas apresenta��es e contar a seus amigos a respeito.

 

Pequenas, mas n�o peda�o

 

H� v�rias maneiras de se socializar o que se escuta, na internet. Pulverizado por meio de redes menores, o h�bito de compartilhar gostos musicais se espalha por v�rios sites sem grandes pretens�es. "Este p�blico sustenta pequenas redes focadas na qualidade e n�o no volume de ades�es", diz Lorena. S�o servi�os gratuitos com o Last.FM, o Blip.FM ou o Rate your music, que permitem que se defina um perfil musical e troque informa��es com amigos de gostos parecidos. Sites como o Myspace e o Oi Novo Som acabam caindo nas gra�as de m�sicos em busca de visibilidade. Qualquer um deles � bacana para quem quer descobrir novos sons.



"Em termos de tend�ncias, pelas pr�prias caracter�sticas da internet, penso que cada vez mais teremos m�dias sociais com foco espec�fico para que o usu�rio possa optar por aquela que mais lhe interesse. Assim como uma conex�o entre elas, para que n�o seja necess�rio acessar sites distintos para interligar essas diversas redes de relacionamento", acredita Lorena.



O Blip.FM, por exemplo, permite integra��o com outras redes, como o Twitter e o Facebook, o que � apontado como um dos principais pontos positivos da plataforma. Para descobrir o que h� de melhor em cada um dos sites de relacionamento concentrados em m�sica, o Inform�tic@ conversou com f�s confessos de cada um dos servi�os. Os sites t�m focos e ferramentas diferentes. Decida qual deles pode ter mais a ver com o seu perfil.

Sunday, August 22, 2010

Bate-papo no 5� Encontro de Twitteiros Culturais de Belo Horizonte

� poss�vel divulgar uma not�cia em 140 caracteres? Com o crescimento das redes sociais na web, ve�culos de comunica��o e jornalistas, cada dia mais, aderem �s novas tecnologias e ferramentas como Twitter, Orkut e Facebook para estreitar a rela��o com seus p�blicos de interesse, informando de forma instant�nea, r�pida e objetiva.



Diante das grandes possibilidades das redes sociais, o 5� Encontro de Twitteiros Culturais de Belo Horizonte (ETC_BH) tem como tema �Twittando e informando�. O objetivo do evento � discutir e entender o que muda no processo de gerar, consumir e divulgar informa��o a partir da popularaiza��o das redes sociais. O encontro ser� no dia 1� de setembro (quarta-feira) a partir das 19h30, no anfiteatro (L2) do P�tio Savassi (Av. do Contorno, 6061 Savassi). O evento � realizado pela Esta��o do Saber, e contar� nesta edi��o, com coordena��o de J�lia Ramalho Pinto e Slom�o Terra, patroc�nio do Uni-BH e apoio do Shopping P�tio Savassi.



Para debater o assunto, o 5� Encontro de Twitteiros Culturais de Belo Horizonte (ETC_BH) contar� com a presen�a do jornalista e analista de redes sociais e mediador do debate, Salom�o Terra (www.twitter.com.br/salomaoterra ); da jornalista e especialista em novas tecnologias de comunica��o, Lorena Tarcia (www.twitter.com.br/lorenatarcia ); e do jornalista, Rog�rio Tavares; e da diretora da Esta��o do Saber, J�lia Ramalho Pinto (www.twitter.com/@arpjulia ).

Aula inaugural na UFOP

Dia 27/08, �s 19h no audit�rio do ICSA teremos nossa Aula Inaugural com a jornalista Lorena T�rcia, especialista em Tecnologias Digitais, Comunica��o e Converg�ncia de M�dias. Professora de Jornalismo Online do Centro Universit�rio de Belo Horizonte, UNIBH, em Belo Horizonte.Coordenadora do laborat�rio de Converg�ncia de M�dias. Mestre em Educa��o e Tecnologias Digitais pela PUC Minas. Forma��o em Converg�ncia pelo Instituto Newsplex, Univ. Carolina do Sul, EUA.



Fonte: http://bit.ly/cbSOyU

Monday, April 5, 2010

Media Development Research

Jornalismo, Revistas & Internet




Blog da pesquisa "An�lise do papel das revistas nos processos de converg�ncia cultural", coordenado por Graciela Natansohn, Grupo de Pesquisa Jornalismo Online (GJOL), PPG-COM, Facom, UFBA

Sunday, April 4, 2010

Clases de Periodismo



Excelente blog iniciado em 2008 pela jornalista peruana Esther Vargas (@esthervargasc). Uma sala de aula virtual sobre Jornalismo. (Em espanhol)

Thursday, April 1, 2010

Podcast e Jornalismo

Testando a ferramenta Sound Cloud para upload e compartilhamento de arquivos de �udio e podcasts.





Podcast e Jornalismo
by Lorena T�rcia



A ferramenta � simples, muito f�cil de utilizar e incorporar. Mas o formato � este a�, a n�o ser que fa�a um upgrade para o acesso pago. Tudo tem seu pre�o ...

Tuesday, March 30, 2010

Cultura Digital.Br




Excelente livro para download gratuito.

CMS do MIT



Comparative Media Studies do Mit. No site, disserta��es e artigos sobre cultura, m�dias digitais e converg�ncia

Casa da Cultura Digital

Projeto muito interessante em S�o Paulo. Vale a pena acompanhar de perto.

Ferramentas Digitais para Jornalistas: download gratuito



Ferramentas Digitais para Jornalistas:um manual pr�tico voltado a ajudar jornalistas a compreenderem melhor como utilizar as ferramentas digitais em seus trabalhos di�rios.

The Internet Case Study

Interessante o livro em Flash dispon�vel online (ingl�s). S�o 60 hist�rias e estat�sticas sobre os sites de maior sucesso na web.



Cap. 1 - Campanhas


Cap. 2 - E-commerce


Cap. 3 - Promo��es


Cap. 4 - M�dias Sociais


Cap. 5 - Corpora��es

Monday, March 29, 2010

Traffikd



Blog sobre M�dias Sociais e Marketing na internet. Em ingl�s.



Entre os posts:



- 10 Reasons to Be a Freelance Blogger (Dez raz�es para ser um blogueiro freelancer)


- 5 Reasons New Bloggers Should Use Niche Social Media Sites (Cinco raz�es para novos blogueiros utilizarem sites de M�dia Social de Nichos)


- 9 Ways to Build Your Own Social Networking Site (Nove formas de construir seu pr�prio site de Rede Social)

objETHOS

O Observat�rio da �tica Jornal�stica � um grupo que analisa condutas, valores e as melhores pr�ticas jornal�sticas.

No site, h� �timas dicas de livros, pesquisas e sites sobre o assunto.

Lista de sites de M�dias Sociais e Redes Sociais

 List of Social Media and Social Networking Sites



Muito interessante. Site lista mais de 35 modalidades de sites de M�dias Sociais e Redes Sociais. Dentro de cada modalidade, dezenas de ferramentas desconhecidas ou pouco utilizadas no Brasil. Tudo em ingl�s.

Sunday, March 28, 2010

YouTube e Pullitzer projeto de videorreportagem

�timas dicas sobre Jornalismo Backpack, produ��o, audio, ilumina��o, edi��o e mais. Em ingl�s.



Great tips about Backpack Journalism, Report production, audio, editing and more

Tuesday, March 2, 2010

Americano usa mais de 1 ve�culo para se informar, diz pesquisa

JANAINA LAGE
DE NOVA YORK
Folha de S. Paulo, 2/3/10 B15

Pesquisa divulgada ontem pelo Pew Research Center mostra que a maior parte dos americanos (59%) obt�m informa��es em mais de um ve�culo, como internet, TVs, jornais e r�dio. Segundo o estudo, obter informa��o � um importante ato social.

Poder conversar com os outros sobre o que acontece no mundo � a justificativa de 72% dos entrevistados para acompanhar o notici�rio. Na avalia��o de 69%, estar em dia com as not�cias � tamb�m uma obriga��o social e c�vica.

A pesquisa diz que a rela��o do consumidor com o notici�rio muda de forma dram�tica e irrevers�vel. "As organiza��es tradicionais de not�cias ainda s�o muito importantes para os consumidores, mas a tecnologia mexeu em todos os aspectos do relacionamento entre os produtores de informa��o e as pessoas que consomem informa��o." As mudan�as incluem ferramentas de participa��o direta e de dissemina��o de informa��es.

Os resultados mostram que 33% dos que t�m celular usam o aparelho para acompanhar o notici�rio. Al�m disso, 37% dos usu�rios de internet comentam as not�cias ou espalham informa��es usando redes sociais, como Facebook e Twitter.

Segundo a pesquisa, 56% dos americanos seguem o notici�rio "o tempo todo ou a maior parte do tempo". Os mais instru�dos, com melhores condi��es financeiras e mais velhos s�o mais propensos a acompanhar o notici�rio por mais tempo.

As TVs locais e nacionais lideram a prefer�ncia, seguidas por internet, r�dio e jornais. Os resultados indicam que 61% dos entrevistados em um dia normal procuram informa��es na web, 50% disseram que leem um jornal local e 17% buscam informa��es em um di�rio nacional